domingo, 29 de novembro de 2009

Comunicado Importante - Fim d'A Euterpia.



“Gostaria de comunicar a todos, que após 11 anos de trabalho, A Euterpia decidiu, nesse momento, encerrar suas atividades”. (Marisa Brito - Vocalista)

A banda surgiu em 1998, ainda com uma turma adolescente, afim de fazer música e se divertir. Algumas mudanças ocorreram e já no novo milênio, e digamos mais estruturada, começou a se destacar, tanto que antes de lançar o cd demo “Caótico & Harmônico”, já se podia perceber o público cantando algumas músicas. Com a ajuda do “cedezinho” artesanal, Brechot do Brega e Veneza se tornaram hits obrigatórios.

Com versatilidade sonora, A Euterpia esteve presente em diferentes palcos. Bares, teatros e lugares inusitados, como uma apresentação na casa A POROROCA, junto com bandas de brega e grupos de pagode.

Para fazer um “cedezão”, de verdade, gravado profissionalmente, a banda entrou no processo de leis de incentivo e teve um projeto aprovado. As gravações começaram, o disco foi finalizado sem que a “carta de recomendação” fosse aceita por nenhuma empresa. Com a ajuda do incansável Ná Figueredo o disco foi prensado e alcançou prateleiras desse imenso Brasil.

A mistureba sonora promovida pelos eutérpicos, não agradou a todos, é claro. Alguns diziam ser de difícil digestão e outros apontavam como uma música chata, entre outras coisas, mas sem discutir qualidade (conversa que não chega em lugar nenhum!) foi o único disco lançado pelo selo Ná Records que vendeu tudo e teve segunda tiragem.

Em relação ao tipo de música feita pela banda, o baterista Carlos Brito declarou que “nestes onze anos a banda conseguiu se manter integra à sua sonoridade, pr’A Euterpia o mais importante não era qual tipo de música fazer, o importante era fazer, e por isso não tinha restrições sonoras, o que lhe possibilitava caminhar por vários espaços. A banda conseguiu ao longo dos anos ter sua identidade e com isso ganhou o respeito e a admiração do público, jornalistas e outros músicos.

Os velhos problemas estruturais de Belém, relacionados a cultura e entretenimento voltaram a tona e A Euterpia seguiu para sampa city. Sair de Belém era o caminho mais certo, para uma banda que estava com uma certa estrada e precisava ampliar os horizontes.

Hoje, além de talento é necessário ter network e disposição para suportar a parte “burocráticochata” de se trabalhar com cultura. Sair da zona de conforto para tentar fazer a coisa acontecer precisa de estruturação, não pode ser uma atitude temerária.

As coisas começam ainda em terras conhecidas, para quando chegar a hora de desbravar, existam caminhos abertos e rotas de segurança. Manter todos olhando para o mesmo lugar como banda é fundamental. Não se pode perder os laços, o convívio. Aquilo que uniu a banda precisa se manter intacto o suficiente.

Sobre o fim , Carlos disse que "chega uma hora em que ‘é preciso parar, porque já se está leve de mais pra voar’ e A Euterpia chegou neste momento, mas mantendo sempre sua integridade sonora. Realmente falhamos em vários aspectos e o que nos espera no horizonte ainda não sabemos, mas quem sabe um dia nos deixemos musicar novamente pela música da banda, apesar de eu particularmente não gostar dessa estória de chutar cachorro morto”.

Foi com tristeza que recebi o anúncio oficial do fim da banda. Independente de serem amigos, mas pela representatividade conquistada dentro desse circuito que teimamos chamar de independente, mas que depende muito mais do que se imagina! O jeito é esperar as coisas tomarem seu rumo natural e quem sabe existe um retorno, nem que seja pra matar a saudade dos fãs.

Ouça A Euterpia em: http://www.myspace.com/aeuterpia
Link para o fotolog da banda, com o anúncio oficial: http://www.fotolog.com.br/aeuterpia/70544309